Dois Joões e uma Maria


Chegou o dia tão esperado: O sol voltou a raiar.
De frente para o espelho, penteou o fino bigode e pôs-se a erguer a face.


Chegou o dia tão esperado: O sol voltou a raiar.
De frente para o espelho, raspou sem muita maestria o fino bigode, abaixando a face e tocando o queixo no peito.


Chegou o dia tão esperado: O sol voltou a raiar.
De frente para o espelho alinhou as sobrancelhas e levemente colocou o tom de azul do céu nos lábios com um batom.


Correu pelo frio e carente corredor da casa, abrindo as janelas para o tal sonho entrar.
Colocou comida para o velho gato quase cego. Tomou dois copos de água e agrediu o silêncio do ambiente com um intenso bocejar.


Andou lentamente pelo fio e carente corredor da casa, deixando as janelas bem fechadas e tomando certeza de que o sol não entraria.
Comeu a comida do velho gato quase cego. Tomou dois copos de vinho e permaneceu em silêncio.


Saiu e andou pela casa, sentindo o cheiro salgado da maresia vinda do mar.
Pensou no sol, mas preferiu senti-lo ao sair pela porta.
Deu uma cenoura para o rex, seu coelho de olhinhos avermelhados e pendurou a roupa molhada na corda do varal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria