Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2015
(DESEJO) Ver-te sob o sol
(CANTAR) A melodia das aves
(SENTIR) O lapso de sua presença
(DANÇAR) No ritmo de seus passos
(ADORMECER) Perante o brilho de sua voz
(DESPERTAR) Em meio ao nascer de seu olhar
(MERGULHAR) Em seus toques
(CAMINHAR) Sob seu caminhar
(PERDER-ME) Em seu sorrir
(AMANSAR) A fera interior
(AMAR) Com a mor sincero
(MOLDAR) Em sintonia às curvas que me alimentam
(ACREDITAR) No que trazes dos céus
(ESQUECER) As páginas borradas
Invadiu-me a noite como fera disparada, porém sutil como a chegada da lua.

Traçou as palavras com a beleza dos lábios e os desenhou nos meus.

Para pintá-los só faltou encostar, e essa é a tentação que caminha junto com a presença.

A cada piscar, um surto de lembrança, favos de mel escorrendo pelo canto da boca.

Quis tocar-te, desejei e em meus sonhos pairaste como a neblina da manhã.

A voz, o cheiro, o gosto. Aonde estavas? Por que nos meus sonhos? Por muito tempo não sonhei, pois a insônia guiava-me ao pesadelo da realidade dos olhos abertos.

Onde havia sequidão houve vida, a terra foi encharcada, os grãos cresceram e os frutos nasceram.

Do mais puro sabor, o néctar escorreu como a queda de uma cachoeira.

A presença sem avisar chegou, brindou com os átrios e com leveza me fez querer... querer muito.... desejo ardente que queima a solidão e traz de volta aquilo que a noite trouxe:

PAIXÃO!

Sobre rosas

Permito escolher entre acolher-me em suas pétalas ou sentir a dureza da dor que passeará em minha alma.
Colora com o encanto de suas cores tão vivas quanto o amor de um jardineiro.
O perfume... que ele invada minhas narinas, pois preciso me sentir perto de sua essência.
Derrame suas pétalas em minha terra, pois o vento te levará para todas as partes
Sobre rosas... prefiro sempre estar diante de ti, pois na primavera és rosa e no inverno farás morada em mim.
Quem dera eu... estar para sempre aprisionado nas nuvens chamadas de feias pela lua.

O sorriso invadiu-me o peito e socou-me o rosto.
Aonde estavas quando eu, submerso na agonia de minha insônia 
sozinho vagava?

Contudo, afirmo-te, que a noite de ontem se fez ausente de sono.
Não estive em decadência por isso, pois de olhos fechados estavam porém margeando os rios com sua presença e não adormecendo.

Desperte-me... a realidade já está em sua segunda volta pelo mundo e virá em breve ver se estou em meu posto.