Livrai-me da ausência de seu olhar, pois prefiro a escuridão de meus olhos fechados do que a ausência, a maldita ausência já mencionada.

Traga-me... trague-me com o infinito ardor de sua respiração. Eleve-me, desconstrua-me e lance-me em pedaços ao lapso da imensidão construída.

Acabe com a ausência... somente isso!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria