Das tuas vestes vibra o perfume que acalenta a alma sedenta.
De seu olhar sai o brilho que atinge o horizonte longínquo, dando calmaria para as almas em tormenta.
De teus lábios escorre o doce mel, a inspiração dos céus e da terra, como a chuva a encher ligeira ou vagarosamente os rios que levam minha alma ao contemplamento de sua presença, oh Poesia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria