Pra onde vais? 
Por que somes? 
Como a brisa da tarde que refresca e se vai.
Tão feroz... 
por que cala-te? 
Por que não te ouço mais? 
Por que só te vejo em meus sonhos e te tenho em minhas lembranças, na noite que chega, na noite que sai?
Tão feliz... 
Por que não vejo o teu sorriso? 
Por que não ouço quando cantas? 
Por que não vejo quando olhas?
Tão sublime, mas não sinto-te. 
Quero-te, torço para ter-te. 
Mas onde andas... amor, onde andas?
Se levaram teu brilho, darei o meu. 
Se roubaram sua cor o céu te dará. 
Se tomaram sua voz, gesticule.
Por onde andas, amor? 
O que fazes? 
O que te ocupa?
Te ocupas querendo esquecer, 
querendo ter uma nova vida?
Será que não queres mais ser o amor?
Por onde andas... o que fazes?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria