Ainda espero o amanhã

Foi demais e ainda é.
A espera pelo mesmo pôr-do-sol chegará?

Lembrar do andar proseando com a melodia 
de seus lábios.

Contar quantas estrelas estão a brilhar 
na furtiva lembrança que me consome.

Será errôneo desejar o mesmo sopro 
que se foi, deixando apenas a doce malícia em meus lábios?

Será momentâneo? Minhas palavras remetem a velha ilusão dos que como eu, sonham e apenas sonham.

A areia ainda é branca e nela ainda permaneço sentado, tocando a velha melodia com os olhos... meus olhares.

No momento certo a escuridão de minha solidão amanhecerá, porém enquanto esse dia não chega, continuo esperando o amanhã.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria