Renasço hoje, porém não no tempo atual. Renasço no tempo da infância. Ser amigo do tempo, pular cantar, correr e sorrir.

Ser o rei de um mundo, o mocinho da donzela ou um barco a vagar mesmo quando a chuva impede se sair.

Renasço na infância, no simples e único prazer de ser. Renasço na infância, onde posso pular, correr e sorrir, pois o difícil de ser grande é crescer, e o lado bom disso tudo, ainda não descobri.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria