De um até dez... um longo caminho. Sílabas atônitas, respirando em cada intervalo.

Arrancaram-te pêlos, elos, olhos, fraternos, martelos e imersos.
E conto... o terrível, o incerto, o mórbido do dez (membrar). 

Dez (membro) quando chega ao dez. E agora, sem pernas, como andar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria