Para tu, que não 
cansas de crer que a poesia
está morta, juntamente com
os poetas mortos.

Se de ti não fluírem rios
de paixão ao ler meus versos, 
afirmo-te que morta está você!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria