Ordem

Se existe uma ordem, peço que a dê.
Porém, quando estiver de joelhos, arrastando-me em penitência, não me julgue como seu simples servo.

Ali estarei, não tendo um outro lugar para me afundar em minhas lamúrias ordenadas. Então, mediante a esse fato, só peço que não me tenha como seu simples servo.

Dê a ordem, contudo não a tenha como a última cor da aquarela de sua aura. Não conte a ninguém, não faça com que minha voz suma e meus olhos percam a honra.

Dê-me seu prazer e toda a forma vívida que existe. Rogo, clamando por seu toque e pela tal ordem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria