Nobre engano

O que pensar sobre aquele momento?
Descendo as colinas ele foi. Nobre guerreiro, belo momento. Via de si as lágrimas saírem e evaporarem com o vento. Quanto mais corria, mais longe estava. O vazio aumentou, porém sua descida só prolongava. 
Com a respiração ofegante, sentia sem cessar o peso em seus ombros. O peso bruto do real, da espada e da solidão. Atormentado pelos deuses, ele viu sua calma ser trocada por angústia. Em um piscar de olhos, as feras o cercaram. Em um piscar de sua lâmina, as feras pelo chão ficaram.
Bravo herói! Daqueles de se orgulhar. Bravura curta perante o que existia, pois sem sua paixão, se rendeu a covardia. O pavor o alucinava, porém de longe lhe dava o que faltava. A donzela, não existia, e ao descer pelas colinas, o guerreiro perante o céu morria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria