Matam-se aos poucos.
Doutrinas anormais.

Mata-se uma flor, a única rosa que restava para traduzir amores sem iguais.

Esperam as manhãs e as maçãs.
Comem com ardor, quando chega a primavera.

Matam-se, mata-se e até alguém morre pelo direito de morrer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria