Veja o mar.
Toda essa imensidão.
O nascer do sol, o timbre
do vento e a mansidão do silêncio.

Veja no mar.
Aqueles que o temem.
Que nele vivem.
Os que choram pelos decadentes
e para serem como as ondas.

Veja lá.
O barco a vagar.
O céu a sorrir e o sol a raiar.
O mastro partido, uma estrela cantando
e a maresia a dançar.

Tudo isso.
Tudo que podes ver, é tudo mesmo
o que enxergas aí?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria