25/12/2013

Parar em meio a todo o caos urbano
e sentir o coração pular... saltitar...
bater desenfreado.

Uma nota, um refrão,
que com mistério vira canção.
O que diriam vendo agora a
sombra do curioso que nunca para?

Se move, cria, intriga e descobre,
pois de falar por todo o tempo,

nada está mais no mesmo lugar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria