Que o vento, o calor e o frio não afetem a minha mente. Não retirem de mim seu perfume, sua essência de mulher e seu sorriso de deusa tênue.
      Que as palavras que em minha mente aprisionei não consigam liberdade e o toque suave e tentador não se torne mero devaneio.
      Se  o nublado cruel fizer chuva desabar sobre mim e como cachoeira as lembranças de uma noite milagrosa se desfizerem como sujeira derrotada pelo esguicho de uma mangueira, vou ser mais uma vez eu mesmo, e como a primeira vez, irei dizer:


       - Oi, tudo bem?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria