Praça

De alma lavada.
A quentura dos lábios.
A ardência do olhar.

O corpo que ferve no 
toque macio e peculiar.
O beijo que surge do nada e 
não sabe aonde vai parar.

Não para... aumenta...suspira... 
se joga... alcança o prazer.
De noite, sem lua, 
estrelas com o sorriso tênue 
que me faz desfalecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria