Um grito seco. Foi o bastante para sentir pena do ser de penas coloridas. Um ser, um papagaio.
Ali, caído com o peito estufado e o bico truncado na parede branca desgastada pelo tempo.
      Os minutos passaram, porém ele não acordou. Sintomas iniciais de alcoolismo descartados, e a certeza logo chegou. A idade deve ter pesado, se tratava de uma morte.
      Hora do óbito:16:20. Hora do chá. Algo quente para tentar acabar com o vapor da tristeza.
      Um vento soprava de trás para frente. As penas balançavam, indo e vindo como um balanço desgovernado. Uma tarde memorável, diria mais. Foi muito tarde para despedidas ou cerimônias.
      Os amigos estavam voando por aí, cantando em muros e fugindo das atiradeiras.
      A vizinhança não mais escutava o canto brando do papagaio tênue. A harmonia foi rompida. Lá se foi sem dizer adeus.

                 Billy Lin, eterno papagaio da gaiola da vizinha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria