Olhar incompleto

      Naquela noite ela o encarou com charme. O olhar o seguiu até o elevador, quando a porta se fechou. Foi corrompido e quis voltar ao encontro. Mais forte do que um esbarrão, o olhar disse tudo e o inundou como uma onda cheia do mar.
      A chuva caía, a rua lamentava-se e as pessoas se esquivavam das poças, mas dentro dele algo fervilhava e fazia seu coração dançar. A curiosidade tomava conta dele. Quem seria ela? Era dona de alguém, ou pertencia a alguém? Descobrir seria um desafio, mas seus passos sumiram e a distância só aumentou.
      Lavou o rosto, coçou a pele e tentou respirar fundo. Tentou, pois seu ar ficou preso nos cabelos da donzela desconhecida. Olhou pela janela, porém Nemo rastro avistou. O traje dela estava em sua mente. Por onde ela anda? Será que o esperava? Tomou coragem e enxugou a boca. Resolveu descer e ir atrás dela.
      O porteiro fumava, observando a chuva cair.

- Não sei para onde ela foi – disse ele, dando as costas para uma goteira se espalhar e voltando para seu posto de trabalho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria