O telefone

      Quando o telefone toca, têm-se duas opções: Atender ou não. Parece simples, porém não é. Se optar pela primeira opção, diversas notícias, boas ou ruins podem ser escutadas. Se optar pela segunda, somente se fará um longo ou breve atraso na recepção de notícias.
      Nesta hora, o subconsciente começa a armazenar elementos. As preocupações se afloram: - Droga, devia ter atendido! Mas, não foi o caso, então a calma tem de ser mantida. Pensasse em ligar para a mamãe, para a vovó ou para a titia, porque se não fossem elas, não deveria ser importante. A tensão existe. É inevitável.
      A curiosidade sempre é mais forte. É quase impossível se segurar. Aí se apertam alguns números e com o telefone preso na orelha, prepara-se um café forte e sem açúcar. Preto... bem preto. O cheiro é consumidor, e a ligação cai. Cortaram a linha. Não pagar pelo serviço não poder ser visto como simples opção.

      Bem, agora vai ser inútil tentar ligar para a mamãe, para a vovó ou para a titia. E, ainda mais, será impossível avisar alguém que, queimou a boca com o café fervendo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria