O poeta anda na reta. Na reta do amor.
Foge do horror, mata o desamor, criando um esplendor tênue de ardor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria