A sereia voltou para o mar , e o pescador ao inferno de suas ilusões




A sereia venceu o esforço 
e o querer do pescador.
O canto deixou -o surdo na 
primeira visão , e agora o enlouqueceu.
O afogou com suas escamas e as
 redes se prenderam em seu pescoço.
Sua respiração ficou sonolenta , 
junto com toda a inspiração que pertencia a sereia.
O sal do mar perfurou seus olhos e
apodreceu seus pensamentos.
Não há como esconder ou mentir , 
pois o jogo de olhares de antes ,
agora é um raio de mentiras - a maior mentira ,
o maior engano , a maior desilusão.

O DESAPEGO !
A nova meta de um pescador que
lança no mar suas expectativas teria que acontecer.
A paixão pela besta-fera de canto manso , 
olhar feroz e dançar poético foi ardente.
Com ela ,nem o coração existe mais. 
Seu corpo é oco , sem alma , sem nada.

´´ Lá se vai o barco de madeira velha e cordas puídas , e o pescador afogado em seus próprios lamentos ! ``

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria