O poeta e a donzela



Sou o som que sai de ti.
A corsa que deseja as águas
frescas de seu interior.
O mistério em busca de solução.
O misturado louco pela pureza dos seus sonhos.
O inconcebível querendo ardentemente nascer outra vez.
Sou o pecado a procura de perdão.
O cravo esperando a rosa branca.
A carência necessitando os seus carinhos.





Tu és a flor que floresce em mim.
O rosto límpido das nuvens brancas ,que remetem a paz.
O som suave que faz meu coração bater e não mais apanhar.
És criação que cria a vida.
Cachoeira no deserto.
Vida que vence a morte.
Terra firme para meus passos
e fértil para meus frutos.
Nascente que refresca a corsa ,
lenda viva e solução para meus medos.
Sou o poeta e tu a poesia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria