A hora do tempo

A hora não passa. O tempo não para. 
O vento refresca , o que a chuva estraga.
Um chão de cimento , um vaso de barro.
Flores sinceras , um beijo e um abraço.
Porém , sonho meu !

A hora não passa. O tempo não para.
O céu de novembro , tão cheio de nuvens,
esconde reflexos , não sei quem eu sou.
Mistura de cores em trevas constantes , 
amarga careta contra a voz que se cala.

Inútil pensar , inocente é quem... prisioneiro
se faz ao pensar que é alguém. Alguém , 
que na hora vê a dor , a qual não passa.
Infeliz sangra e chora , pois sua dor
jamais sara.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria