Versos insustentáveis


Sinto o peso.
O pavoroso fogo que
queima minha alma.
A sequidão em minha
garganta e o cansaço
de meu corpo.
Tento , luto , me esforço ,
mas não dá. É pesado ,
obscuro , indiscreto e
sorrateiro
Minhas veias sobem a pele ,
virando grandes hematomas.
Meu sangue corre com caimbras
e sangra de dor.
Minha mente se retorce em
pensamentos que não são
meus. Minha angústia e
aprisionamento fazem de mim
vítima de meus próprios versos ,
os quais inundam o velho mundo
e não sei por que fiz.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria