Na chegada

Quando eu chegar em casa ,
depois de um dia inteiro de

trabalho denso , molhado
e macabro , espero que estejas

ai , sentada no sofá de camurça
barata , mas que sustenta nossa

paixão.
 

Que não te perturbes a minha
volúpia e dificuldade para abrir

a porta , e deixar para depois o
peso que tiver trazido em meus
ombros.


 Que estejas ainda , lendo
os meus versos , e tentando

decifrar meu coração. Além disso ,
espero que não te clausures ao

tentar e encaixar no corpo da loira ,
morena e ruiva , que tanto descrevo

nas estrofes.

 Na verdade ,  te vejo de segunda a
segunda , como a mulher de muitos

tons, gostos , cheiros e sentimentos.
Não te traio com um caminho sem

volta , achado em outra saia. Te traio
sim , com você mesma.


Que os teus cabelos ainda estejam
molhados exalando o aroma da frutas

que comemos ao amanhecer sublime ,mais
forte que a noite. Na noite nos amamos , mas

na manhã , brindamos com o sereno nas folhas
do jardim.


Pense em seus segredos, e no dia que
irá me revelar. Pense em silêncio , mas não

tarde em falar. Queira o meu , assim como
eu te quero. Feche os olhos , crie vontades e

saiba sem mais demoras , que o meu segredo
começa ao chegar na porta , e termina quando

te vejo sóbria , para minha alma enlouquecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria