Cresci!

Naquela manhã de inverno , eu não me entendia mais.As velhas coisas perderam a cor , o sentido e o frio constante que entrava pela janela , congelou minhas molequices.
Me estiquei como diariamente fazia , para dar bom dia ao meu corpo e por alguns segundos fiquei paralisado e angustiado pois , meus pés passaram da cama.
Dei um salto e olhei para a estante de meus brinquedos e eles estavam virados de costas para mim.Quando cheguei mais perto , eles derreteram , como um sorvete exposto em um sol de verão. Parei no meio do quarto , olhei para todos os cantos e tive com isso ,  a certeza de que sim , estava mesmo em minha casa.
Muitas loucuras passavam por minha mente e os meus pensamentos estavam maiores , cantando mais alto.Fechei a janela , as cortinas, apaguei a luz e corri para dentro do banheiro.Olhei diretamente para o espelho e perguntei:Quem é você?Apertei os olhos , tapando o rosto com as mãos e como uma máquina , minha mente fez uma retrospectiva de meus anos anteriores contudo , quando foi chegando em minha idade atual , perdeu a velocidade e travou-se.
Estava tonto , desorientado e perdido em mim mesmo.Então , abri a torneira , joguei água em meu rosto , o esfreguei de forma grosseira e tive uma convulsão de surpresa quando olhei de novo no espelho:Estava barbudo , com olheiras e repleto de responsabilidade.
Voltei a baixar a cabeça , jogar mais água e preencher meu rosto com sabão.Quando dei por mim , estava ´´giletando`` aquela barba grossa , com total destreza e talento.Parei, respirei e olhei somente com um olho pouco aberto o resultado.
Minhas pernas bambearam ,meu coração acelerou e comecei a suar.A barba cresceu novamente e quando ia soltar aquele palavrão, escutei um Bipe   , como de um celular vindo de meu criado-mudo.
Corri para achá-lo e quando o vi ,lá estava escrito em letras maiúsculas , se eu saberia o fechamento da bolsa de valores.Tudo corria contra mim e me afogava em minhas próprias ilusões.
Foi aí que ,deixei de lado minhas perguntas e agruras  , parando para escutar o som da verdade:Que eu havia crescido!
Limpei o suor da testa , cocei as costas e me preparei para dar o adeus a velha idade , a ternura e os mimos de minha mãe.Passei exacerbadamente a colônia infantil por todo o meu corpo , liguei o rádio com o cd da trilha sonora de dançando na chuva , sem ver o tempo passar.
E estava feito....quando abri os olhos ,estava de terno e gravata ,pasta na mão e entrando em meu carro , com um peso na mão esquerda , que muitos chamam de aliança.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Beijo egípcio

Soneto da alegria